Arte e liberdade

Em janeiro desse ano me comprometi com o desafio de dar um curso de Pintura de Faixas e Cartazes, para menores infratores no educandário (Cense) de Piraquara. Não, não é um trabalho voluntário, como estava com algum tempo livre e querendo aumentar meus rendimentos, pesquisei algumas ofertas de trabalho de algumas empresas e dentre elas a que mais me agradou foi uma ONG chamada Associação Horizontes, cuja missão é promover a sustentabilidade, a inclusão social e a geração de trabalho e renda por meio da educação.

O anúncio dizia que estavam contratando instrutores para o referido curso e ponto. Enviei meu currículo e no mesmo dia eles entraram em contato, dizendo que o curso seria ministrado no Cense para jovens que cumpriam medida em regime fechado, ou seja, presos. Na hora fiquei bem interessado, pois se tratava de algo que definitivamente eu nunca havia feito na vida, mas estava apto a fazer por conta de mais de 3 décadas de carreira na área da direção de arte e comunicação, sem falar numa licenciatura em artes plásticas. Como sempre atuei como publicitário e nunca como professor, achei a oferta perfeita para verificar se a escolha do curso que fiz no passado finalmente se mostraria útil.

Fiquei bastante entusiasmado com a perspectiva de usar meu conhecimento para algo mais nobre do que criar anúncios e roteiros para publicidade. Já na entrevista, percebi que o trabalho não seria muito fácil e que envolvia certo risco a minha integridade física, já que as aulas seriam ministradas em salas de aula fechadas como celas, onde em cada encontro (aula) eu ficaria trancado com os alunos por duas horas e meia, com materiais como lápis, canetas, réguas, apontadores entre outros que facilmente se tornam armas letais. Apesar do risco, ou por causa dele, aceitei na hora a proposta e fiquei bastante ansioso pelo começo das atividades. Ansioso pelo efeito que o encontro com esses jovens que cometeram crimes teria sobre mim e o efeito que porventura eu causaria neles. Ansioso, pois sentia o mesmo prazer de sentir medo como da primeira vez que saltei de Bungee jumping ou que pilotei um kart, um medo misturado com adrenalina, a sensação de enganar a morte que sinto quando faço algo perigoso.

Esse medo porém durou os 10 primeiros minutos da primeira aula que ministrei no Cense Piraquara. Estava na sala com a coordenadora local da Horizontes, quando um grupo de três educadores do Cense trouxeram sob escolta dois alunos. Um deles entrou na sala de aula, tocando horror, como se dissesse: preste atenção que eu estou chegando. Careca e todo tatuado, pele muito branca e olhos injetados de ódio ou coisa que o valha. Confesso que tremi e pensei: o que estou fazendo aqui? Minutos depois, nos apresentamos todos e eu comecei a falar sobre o curso e sem demora já propus uma atividade, que consistia em demonstrar o processo criativo que uso no meu trabalho, para que eles pudessem através desse processo, criar um tema para o projeto do curso, que defini como sendo um cartaz com título e imagens, pintado a mão. Teriamos então além desse primeiro encontro, mais 19 encontros para que eu ensinasse a esses alunos um pouco do que aprendi em 30 anos de profissão. Minha surpresa, foi que no decorrer dessa primeira aula, a expressão dos garotos, foi mudando da apatia para o interesse. O diálogo foi sendo estabelecido e comecei a ver os seres humanos que estavam na minha frente. Apesar de alguns deles, sentirem certo prazer em contar sobre seus crimes, na tentativa de auto firmar sua masculinidade, procurei durante os três meses que convivi com esse cinco jovens de alas diferentes, enxergar o lado positivo de cada um. E pasmem, são jovens com necessidades parecidas com as minhas, com as suas. Sentem alegria, sentem tristeza, sentem amor e principalmente a falta de amor. Durante esses três meses, refleti muito sobre a condição de vida que os conduziu ao crime. Várias vezes tentei imaginar se eu tivesse crescido na mesma condição sócio cultural deles, se eu não escolheria o caminho dos “corre” (roubo), se eu não seria patrão de uma “biqueira” (ponto de venda de drogas). Me senti um pouco culpado, pois dentro desse caldo todo, composto de alcoolismo  e drogadição dos pais, falta de afeto, falta de condições mínimas de higiene, de acesso a educação e a cultura, a falta de acesso aos bens de consumo que a publicidade e a mídia berram aos quatro cantos que você precisa ter para ser feliz, que você precisa ter para ser, é o que mais pesa na escolha do meio mais rápido de faturamento feita por esses jovens, roubar é mais fácil do que pedir, vender droga dá em uma hora o que um trabalhador leva um mês suando para conseguir. Como publicitário me senti culpado, porém a culpa foi o combustível que me manteve firme durante esse ciclo, pois estar ali era uma espécie de expiação. Eu estava fazendo algo bom, por mais que a mensagem que eu estava passando para esses garotos, entrasse por um ouvido e saísse por outro e minha expectativa era de conduzir pelo menos um deles para um caminho do bem, me senti bem comigo mesmo e bastante motivado e isso refletiu em outros aspectos da minha vida. O efeito que o encontro com esse jovens causou em mim, foi extremamente positivo. Fazer o bem, ou pelo menos tentar fazer o bem, faz muito bem a quem faz, sem falar no valor que passei a dar a minha liberdade, passar algumas horas preso durante o dia de segunda a quinta-feira, me fez sentir uma felicidade indescritível por ser livre e poder ir para onde eu quisesse a hora que eu quisesse cada vez que eu entrava no meu carro para voltar para Curitiba e para meus outros compromissos, coisas que temos e não damos valor. O efeito que causei neles, só o tempo dirá. É uma escolha difícil para eles. Viver na miséria com pouquíssimas chances de sustento ou a vida do crime, com seu ciclo de vida rápida, adrenalina e um certo glamour e prestígio dentro da comunidade.

Outro aspecto que me intrigou bastante, foi a escolha dos temas, dos textos e das imagens para o projeto de cada um desses garotos. O resultado, que você confere abaixo nem precisa de comentários.

 Imagem

ImagemImagemImagemImagem

Imagem

dias_felizes_&_dias_tristes meu_esconderijo_e_minha_familia minha_mãe_é_uma_novela o_resumo_de_tudo

Anúncio da DM9DDB para WWF gera polêmica

Agência brasileira diz que peça para o WWF que faz referência ao 11 de setembro foi aprovada por “instâncias intermediárias” e veiculada em jornal de São Paulo, mas prontamente cancelada; a WWF Brasil a princípio negou, mas em comunicado conjunto ficou esclarecido que ela aprovou a peça

tsunami

O site da revista norte-americana especializada Advertising Age, parceira de Meio&Mensagem, publicou nesta terça-feira, 1º, uma matéria em que faz duras criticas a um anúncio criado pela DM9DDB para a ONG WWF.
A peça mostra diversos aviões em baixa altitude indo em direção a uma Manhattan na qual o complexo do World Trade Center e suas duas torres gêmeas ainda existiam. E o texto afirma que o Tsunami matou muito mais gente do que o 11 de setembro, indicando que o ser humano deve se precaver (confira a foto).
A peça gerou discórdia e revolta nos norte-americanos e colocou em posições opostas a agência brasileira e o braço local da ONG.
Uma porta-voz da DM9DDB disse que a peça foi aprovada pelo WWF Brasil e que teve veiculação em um jornal de São Paulo, sem especificar qual. A aprovação teria ocorrido em “instâncias intermediárias”, segundo a fonte. Quando as lideranças tomaram conhecimento, a campanha teria sido imediatamente suspensa. A peça, inclusive, chegou a participar de uma premiação, o One Show, o que pode ter sido o trampolim para que ela se tornasse conhecida em outros países. O anúncio está, no momento, sendo exibido pelo Blog Advertolog, neste link.
Em nota, a DM9DDB ressaltou que o anúncio Tsunami “foi criado por uma equipe da DDB Brasil que já não faz mais parte da agência”. “A DDB Brasil pede desculpas a todos que tenham se sentido ofendidos pelo anúncio, que não deveria ter sido produzido e que não reflete a filosofia da agência”, diz.
Em posição oposta, o braço brasileiro do WWF publicou em seu blog um comunicado no qual diz que a peça foi apresentada pela DM9DDB em dezembro de 2008, mas que não aprovou sua veiculação. “A relação entre atos de terrorismo, que vitimaram milhares de pessoas, com os efeitos das mudanças climáticas não é justificada em hipótese alguma e não está alinhada com a mensagem que a organização pretende passar para atingir seus objetivos de conservação da natureza e uso sustentável dos recursos naturais”, disse a ONG brasileira, que lamentou profundamente o ocorrido.
A WWF global afirmou em comunicado não ter solicitado a produção e criação da peça e, mais do que isso, condenou o anúncio, dizendo que ele é ofensivo. “Este conceito foi sumariamente rejeitado pela WWF e jamais deveria ter visto a luz do dia. Representa um uso não-autorizado do nosso logo e estamos tomando ações para que sejam removidos dos websites onde estão publicados”, diz a ONG.
Revolta nos EUA
O Advertising Age, que tem sede em Nova York, apontou que, “surpreendentemente, muitas pessoas pensaram que o anúncio foi mesmo assinado pela WWF”. E que, nas palavras do repórter Ken Wheaton, “pior do que a ridícula imagem, foi o texto”. Ele cita ao texto exibido na peça postada pelo Advertolog: “O Tsunami matou 100 vezes mais pessoas do que o 11 de setembro. Mas qual tsunami? O planeta é brutalmente poderoso. Respeito-o. Preserve-o”.
O jornalista apontou que a peça é insensível e ressaltou que “Tsunamis não tem nada a ver com preservação ou conservação. São tipicamente causados por terremotos ou outras forças geológicas, que, segundo checamos, não são afetados pela extinção de animais, desflorestamento ou aquecimento global”. Os comentários da matéria pelos leitores do site também atacaram fortemente o anúncio da agência brasileira.
Comunicado em conjunto
A WWF Brasil e a DM9DDB emitiram durante a tarde desta terça-feira, 2, um comunicado em conjunto em que esclarecem que o anúncio de fato foi aprovado de maneira equivocada pelo anunciante no final de 2008. “Fruto somente da inexperiência de alguns profissionais envolvidos de ambas as partes. E não de má fé ou desrespeito ao sofrimento americano”, diz a nota.
Elas confirmaram que o anúncio foi veiculado somente uma vez em um jornal de São Paulo, cujo nome não foi revelado, e que chegou a participar de um festival internacional. Ambas lamentaram o ocorrido e pediram desculpas a todos os que se sentiram atingidos.

O site da revista norte-americana especializada Advertising Age, parceira de Meio&Mensagem, publicou nesta terça-feira, 1º, uma matéria em que faz duras criticas a um anúncio criado pela DM9DDB para a ONG WWF.

A peça mostra diversos aviões em baixa altitude indo em direção a uma Manhattan na qual o complexo do World Trade Center e suas duas torres gêmeas ainda existiam. E o texto afirma que o Tsunami matou muito mais gente do que o 11 de setembro, indicando que o ser humano deve se precaver (confira a foto).

A peça gerou discórdia e revolta nos norte-americanos e colocou em posições opostas a agência brasileira e o braço local da ONG.

Uma porta-voz da DM9DDB disse que a peça foi aprovada pelo WWF Brasil e que teve veiculação em um jornal de São Paulo, sem especificar qual. A aprovação teria ocorrido em “instâncias intermediárias”, segundo a fonte. Quando as lideranças tomaram conhecimento, a campanha teria sido imediatamente suspensa. A peça, inclusive, chegou a participar de uma premiação, o One Show, o que pode ter sido o trampolim para que ela se tornasse conhecida em outros países. O anúncio está, no momento, sendo exibido pelo Blog Advertolog, neste link.

Em nota, a DM9DDB ressaltou que o anúncio Tsunami “foi criado por uma equipe da DDB Brasil que já não faz mais parte da agência”. “A DDB Brasil pede desculpas a todos que tenham se sentido ofendidos pelo anúncio, que não deveria ter sido produzido e que não reflete a filosofia da agência”, diz.

Em posição oposta, o braço brasileiro do WWF publicou em seu blog um comunicado no qual diz que a peça foi apresentada pela DM9DDB em dezembro de 2008, mas que não aprovou sua veiculação. “A relação entre atos de terrorismo, que vitimaram milhares de pessoas, com os efeitos das mudanças climáticas não é justificada em hipótese alguma e não está alinhada com a mensagem que a organização pretende passar para atingir seus objetivos de conservação da natureza e uso sustentável dos recursos naturais”, disse a ONG brasileira, que lamentou profundamente o ocorrido.

A WWF global afirmou em comunicado não ter solicitado a produção e criação da peça e, mais do que isso, condenou o anúncio, dizendo que ele é ofensivo. “Este conceito foi sumariamente rejeitado pela WWF e jamais deveria ter visto a luz do dia. Representa um uso não-autorizado do nosso logo e estamos tomando ações para que sejam removidos dos websites onde estão publicados”, diz a ONG.

Revolta nos EUA

O Advertising Age, que tem sede em Nova York, apontou que, “surpreendentemente, muitas pessoas pensaram que o anúncio foi mesmo assinado pela WWF”. E que, nas palavras do repórter Ken Wheaton, “pior do que a ridícula imagem, foi o texto”. Ele cita ao texto exibido na peça postada pelo Advertolog: “O Tsunami matou 100 vezes mais pessoas do que o 11 de setembro. Mas qual tsunami? O planeta é brutalmente poderoso. Respeito-o. Preserve-o”.

O jornalista apontou que a peça é insensível e ressaltou que “Tsunamis não tem nada a ver com preservação ou conservação. São tipicamente causados por terremotos ou outras forças geológicas, que, segundo checamos, não são afetados pela extinção de animais, desflorestamento ou aquecimento global”. Os comentários da matéria pelos leitores do site também atacaram fortemente o anúncio da agência brasileira.

Comunicado em conjunto

A WWF Brasil e a DM9DDB emitiram durante a tarde desta terça-feira, 2, um comunicado em conjunto em que esclarecem que o anúncio de fato foi aprovado de maneira equivocada pelo anunciante no final de 2008. “Fruto somente da inexperiência de alguns profissionais envolvidos de ambas as partes. E não de má fé ou desrespeito ao sofrimento americano”, diz a nota.

Elas confirmaram que o anúncio foi veiculado somente uma vez em um jornal de São Paulo, cujo nome não foi revelado, e que chegou a participar de um festival internacional. Ambas lamentaram o ocorrido e pediram desculpas a todos os que se sentiram atingidos.

Felipe Turlão

Post in Meio&Mensagem